Como Amazon, Google, Microsoft e IBM Oferecem IA como um Serviço

AIaaS - Inteligência Artificial Como Serviço Nos Principais Cloud Providers

Embora a Inteligência Artificial exista desde a década de 50, os avanços em unidades de processamento gráfico (as GPUs) e redes neurais, juntamente com a demanda do Big Data, colocaram a IA de novo na vanguarda das decisões estratégicas de muitas empresas e as ofertas de AIaaS ou Inteligência Artificial Como Serviço, vem se tornando um segmento cada vez mais quente no mercado, acirrando a concorrência entre as gigantes de tecnologia. Dada a explosão de dados de aplicativos e sensores de Internet das Coisas (IoT) e a necessidade de tomada de decisão em tempo real, a IA está rapidamente se tornando um requisito e diferencial chave para os principais provedores de soluções em nuvem. Como Amazon, Google, Microsoft e IBM Oferecem IA como um Serviço? É o que veremos neste post.

A adoção da aprendizagem de máquina nas empresas pode estar mais próxima do que o previsto, pois os principais Cloud Providers estão tornando a IA mais acessível “como um serviço” através de plataformas de código aberto. De acordo com o Financial Times, a IA na nuvem é “o próximo grande disruptor” e abre oportunidades para que as empresas criem aplicativos poderosos de IA rapidamente, alavancando suas estratégias e otimizando resultados.

Empresas como Alphabet, Amazon e Microsoft descobriram que a Inteligência Artificial que eles usam para melhorar seus próprios produtos pode ser transformada em um serviço e vendida a clientes corporativos como um serviço de valor agregado em cima de seus negócios de computação em nuvem, já em expansão.

 

Alphabet

O Alphabet e sua subsidiária mais conhecida, o Google, colocaram recursos consideráveis na aprendizagem de máquina desde 1999, o primeiro ano em que o Google reconheceu publicamente que utilizava a IA para melhorar seus mecanismos de busca e, em seguida, seu único produto. Uma vez que o Google decidiu se tornar mais sério sobre o seu negócio de computação em nuvem e servir os clientes corporativos – o armazenamento do Google Cloud oficialmente lançado em 2010 – encontrou diversas maneiras de levar seu investimento e know-how de IA e usá-lo para servir os outros. Diane Greene, SVP do Google Cloud, admitiu que os clientes empresariais “desconfiaram” do Google porque a empresa era tão focada no consumidor; suas capacidades de IA têm desempenhado um papel significativo na conquista de novos clientes.

Alphabet tem duas grandes divisões trabalhando com IA: Google Brain e DeepMind, que foi adquirido por US $ 500 milhões em 2014. Ambos os grupos trabalharam na aplicação de IA nos cuidados de saúde, por exemplo, o que permite que o Google Cloud atenda melhor as empresas nesse campo. Os esforços da empresa em reconhecimento de imagem podem se tornar valiosos para a Airbus e outras empresas aeroespaciais que precisam processar e obter informações sobre grandes volumes de imagens de satélite. Todo o trabalho do Google no Google Translate agora pode ajudar qualquer negócio global com um call center. Embora a maior parte do valor da IA do Google acumule seus próprios produtos e serviços, a empresa afirmou que o Google Cloud é uma das unidades de negócios de mais rápido crescimento.

 

Amazon

A Amazon tem uma sinergia muito mais natural entre seus esforços de IA e como pode vender essas iniciativas a outras pessoas através do seu serviço de computação em nuvem líder no mercado (a AWS tem 44% de Market Share no segmento de Cloud Computing). Como o CEO Jeff Bezos escreveu no início de 2017 em sua carta aos acionistas: “Muito do que fazemos com o aprendizado de máquina acontece sob a superfície, melhorando de maneira significativa as operações principais”. Os exemplos que Bezos cita incluem previsão de demanda, detecção de fraude e traduções – todos os recursos que qualquer empresa gostaria de ter.

Mais do que qualquer um de seus rivais, a Amazon eletrificou o público com sua visão audaciosa para um futuro alimentado por IA. Sua linha de dispositivos Echo, trazida à vida pela Alexa, definiu o caminho para a próxima geração de comércio e automação doméstico e fez assistentes habilitados por voz, sem dúvida, o segmento mais quente da eletrônica de consumo. Esse sucesso permitiu à Amazon lançar a tecnologia que alimenta a Alexa como seu próprio produto para que qualquer empresa possa desenvolver suas próprias aplicações inteligentes acionadas por voz.

Essa estratégia é fundamental para a história do sucesso da Amazon, que em grande parte, sempre se baseou em sua capacidade de transformar algo que construiu para si mesma em algo que pode então vender para milhões de empresas. A Amazon começou como um site de vendas de livros e depois abriu o mercado para permitir que outros varejistas aproveitassem sua plataforma de comércio eletrônico. Depois de construir armazéns para cumprir ordens para clientes, ofereceu o Fulfillment pela Amazon para esses mesmos negócios no mercado. A Amazon Web Services começou porque a Amazon teve que construir excesso de capacidade de computação para suportar seus negócios durante a temporada de compras mais movimentada. Por que não vender essa capacidade extra a outros? É assim que o famoso “flywheel” da Amazon funciona e os serviços alimentados por IA são sua próxima fronteira.

Para esse fim, fique atento ao conceito de varejo da empresa chamada Amazon Go. Baseia-se na visão computacional e no aprendizado de máquina para apresentar um tipo diferente de experiência de compra. A Amazon ainda não abriu esta nova loja de conveniência totalmente ao público quase um ano depois de anunciar a ideia. Mas a expectativa é que milhares de lojas do Go seja abertas em todo território americano. É muito mais provável que a Amazon ofereça essa infra-estrutura de varejo com atuação de IA para os comerciantes existentes que pagarão à Amazon uma taxa recorrente para usá-la.

Observe também que a Amazon Web Services atualmente representa quase 10% da receita anual da empresa e faz parte do negócio da Amazon que os investidores monitoram de perto. Quanto mais Amazon puder manter AWS crescendo, mais a empresa prospera.

 

Microsoft

Ao contrário do Alfabeth/Google ou Amazon, quase todo o negócio da Microsoft reside no atendimento de clientes corporativos. É o gigante tecnológico mais focado em converter IA diretamente em receita. “A identidade da nossa empresa é fundamentalmente sobre a criação de tecnologia para que outros possam criar mais tecnologia”, afirmou o CEO Satya Nadella recentemente à Fast Company. “E é essencial que esteja sendo usado para capacitar mais pessoas”.

A Inteligência Artificial “está na interseção de nossas ambições”, disse Nadella a uma audiência dos parceiros da Microsoft em setembro de 2016, sugerindo que permitirá que a empresa “baseie em grandes quantidades de dados e converta isso em inteligência”. Alguns meses depois, a Microsoft fechou oficialmente a aquisição do LinkedIn por US $ 26,2 bilhões, dando à empresa uma grande quantidade de dados sobre empregados, empresas e recrutamento para fundamentar e tentar tornar-se mais inteligente.

Em agosto de 2017, estreou um sistema de IA em tempo real para seus clientes de nuvem corporativa, o que poderia ajudar a empresa a conquistar negócios de empresas que desejam implantar iniciativas empresariais como preços dinâmicos e personalização de varejo. A missão da Microsoft de ajudar as empresas em uma ampla gama de indústrias a serem mais produtivas e eficazes significa que é a única empresa cujo trabalho de IA está mais relacionado às suas perspectivas futuras.

 

IBM

Da mesma forma, a abordagem da IBM tem como objetivo segmentar indústrias específicas, desde cuidados de saúde até varejo, e aprender esses domínios, de modo que sua IA de marca Watson (que a IBM chama computação cognitiva) pode aliviar o trabalho de disputar conjuntos de dados impossivelmente grandes. “Há uma razão pela qual chamamos de cognitivo [computação]”, disse o CEO da IBM, Ginni Rometty, ao jornalista da CNBC, Jim Cramer, em junho de 2017: “É sobre aumentar o que você e eu fazemos para que possamos fazer o que devemos, de forma melhor. “

O argumento da IBM para os clientes é que é a única empresa que oferece soluções de IA baseadas na necessidade do cliente e essas empresas podem possuir sua própria IA, em vez de apenas alugá-la. Também foi feito o esforço mais aberto para conectar sua iniciativa de Internet industrial de coisas ao Watson, como visto na aquisição da The Weather Company pela IBM em 2016 por aproximadamente US $ 2 bilhões. O acordo deu à IBM acesso a 2,2 bilhões de pontos de previsão em todo o mundo, uma série de dados que o Watson processa para alimentar vários serviços de clientes. Esses esforços geraram muita atenção e o Watson é indiscutivelmente a marca mais forte da IA, mas ainda não virou o negócio da IBM.

Além disso, as lições que aprendemos com o uso comercial da IA podem ser aplicadas nas operações do dia-a-dia da empresa. Por exemplo, a análise dos padrões de tráfego para determinar as rotas de entrega mais eficientes pode ser alavancada para desenvolver redes empresariais otimizadas. Os princípios por trás da aprendizagem de como carregar eficientemente uma van de entrega podem ser aplicados à otimização de TI e como organizar e distribuir melhor as cargas de trabalho para reduzir o número de servidores locais ou, de forma mais eficiente, usar os recursos da nuvem.

Quando as pessoas pensam na IA, elas tendem a pensar em inteligência “humana” ou “geral”. E, embora isso seja possível no futuro, as plataformas e modelos atuais são fragmentados e capazes de resolver apenas problemas muito específicos. Assim, para as empresas com diversos problemas complexos para resolver, ela exige vários serviços de plataformas diferentes funcionando em conjunto, e é por isso que tornar a tecnologia e aplicativos da IA disponíveis por meio de fontes abertas é tão importante para a empresa. Ao alavancar vários serviços de IA em nuvem, as empresas podem inovar soluções para resolver um número infinito de problemas complexos.

David Matos

Referências:

Artificial Intelligence as a Service – AIaaS

Artificial Intelligence-as-a-Service Can Make the Enterprise Smarter

How Amazon, Google, Microsoft, And IBM Sell AI As A Service

Artificial Intelligence as a Service – AI off the shelf

Artificial Intelligence as a service (AIaaS)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *