A Internet das Coisas (IoT – Internet of Things)

IoT

A Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) é um cenário em que os objetos, animais e pessoas possuem identificadores únicos e a capacidade de transferir dados através de uma rede sem a necessidade de interação humana. IoT é uma rede para conectar pessoas, coisas, aplicações e dados através da Internet para permitir o controle remoto, gestão e integração de serviços interativos. Estima-se que haverão 50 bilhões de ‘coisas’ conectadas à internet até 2020.

A “coisa”, na Internet das coisas, pode ser uma pessoa com o implante de um monitor cardíaco, um animal de fazenda com um biochip transponder, um automóvel que foi construído com sensores para alertar o condutor quando a pressão do pneu está baixa – ou qualquer outro objeto, natural ou feito pelo homem, que possa ter atribuído um endereço IP e que tenha a capacidade de transferência de dados através de uma rede. Até agora, a Internet das coisas tem sido mais estreitamente associada à comunicação máquina a máquina (M2M) na fabricação e energia, petróleo e serviços públicos de gás. Produtos construídos com recursos de comunicação M2M são muitas vezes referidos como sendo inteligentes.

Embora o conceito “Internet of Things” não tenha sido usado até 1999, a Internet das coisas tem estado em desenvolvimento há décadas. O primeiro aparelho de Internet, por exemplo, era uma máquina de Coca-Cola na Universidade Carnegie Mellon no início de 1980. Os programadores podiam se conectar à máquina através da Internet, verificar o estado da máquina e determinar se havia ou não uma bebida gelada esperando por eles, caso decidissem fazer a viagem até a máquina.

Kevin Ashton, co-fundador e diretor executivo do Centro de Auto-ID no MIT, foi quem mencionou pela primeira vez a Internet das Coisas em uma apresentação que ele fez para a Procter & Gamble. Veja como Ashton explica o potencial da Internet das Coisas:

“Os computadores de hoje – e, portanto, a Internet – são quase totalmente dependentes de seres humanos para informação. Quase todos os cerca de 50 petabytes (um petabyte é 1.024 terabytes) de dados disponíveis na internet foram capturados e criados por seres humanos, digitando, pressionando um botão de gravação, tirando uma foto digital ou digitalizando um código de barras.

O problema é, as pessoas têm tempo, atenção e precisão limitados – o que significa que eles não são muito bons em captar dados sobre as coisas no mundo real. Se tivéssemos computadores que soubessem de tudo que se pode saber sobre as coisas, os dados poderiam ser reunidos sem qualquer ajuda de nós – isso seria capaz de monitorar e contar tudo e reduzir significativamente o desperdício, perda e custo. Gostaríamos de saber quando as coisas precisarem de substituição ou reparação ou registrar se algo está fresco ou pronto para consumo.”

Influência da Internet of Things:

  • Pessoas: mais ‘coisas’ podem ser monitoradas e controladas. As pessoas vão se tornar mais capazes.
  • Processo: mais usuários e máquinas podem colaborar em tempo real e tarefas mais complexas podem ser realizadas em menor tempo.
  • Dados: coleta de dados de forma confiável e na mais frequência e tomada de decisões mais precisas.
  • Coisas: Os dispositivos móveis se tornam mais controláveis e ‘coisas’ se tornam mais valiosas.

Aplicações da Internet das coisas:

  • Segurança: aplicações de vigilância, alarmes, rastreamento e monitoramento em tempo real objeto / pessoas
  • Transportes: gestão da frota, segurança rodoviária, controle de emissão de poluentes, pagamento de pedágio, monitoramento de tráfego em tempo real e muitos mais aplicações ITS (Sistemas Inteligentes de Transporte)
  • Saúde: e-saúde, segurança pessoal, corpo-sensor com sistemas de saúde personalizados
  • Utilitários: mensuração, provisionamento e faturamento de utilitários (por exemplo, gás, água, eletricidade, etc.)
  • Produção industrial: monitoramento e automação de uma cadeia de produção
  • Logística: fornecimento de frete, distribuição monitoramento e máquinas de venda automáticas

E o que tudo isso tem a ver com Big Data e Data Science? É possível imaginar a massa de dados gerada quando tivermos 50 bilhões de “coisas” conectadas em rede. Todos esses dados terão que ser armazenados, classificados e deles serão extraídas informações que mudarão a forma de vida dos seres humanos.

David Matos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *